domingo, abril 23, 2006

OS RESISTENTES

Porque estamos em ABRIL este poema dedicado a
dois homens de ABRIL e dois queridíssimos amigos e
companehiros.

Ao Xico Fanhais e ao Manuel Freire






Acumulam derrotas e naufrágios.
Perderam amigos e haveres.
Mas sonham.

Caíram dez vezes
e onze se levantaram.
Porque sonham.

Nos seus olhos há torrões
de terra
cordões umbilicais
e a espuma vermelha de cavalos verdes.
Eles sonham.

Em cada gesto deixam a pairar
um aroma essencial de coiro curtido
ou alfazema.

Renascem dia-a-dia
agarrados à palavra mais fraterna
de todos os alfabetos.

São meninos transparentes
no imenso carrossel da luz.

Entram pela casa do padeiro
como fosse a sua.
Entram pelo mar do pescador
e compartilham peixe
e cicatrizes ancestrais.

Atravessam oceanos para levar o lume
ao alto das montanhas.

Falam na língua do cristal e da prata.
Bebem vinho.
Cantam.
Afagam a memória.
Passam devagar um dedo pela linha
de cada ruga e relembram
as margens duras do fogo
tornando mais amável
a imensa geografia deste mundo.


José Fanha

3 Comments:

At 2:10 da tarde, Blogger Licínia Quitério said...

Quem não sente orgulho em ter por Mestre um Poeta que escreve assim?
Eu sinto.
Beijos.
Licínia

 
At 6:48 da tarde, Blogger Thita said...

Olá.

Vou levar este poema sorrateiramente (já que sou uma pirata informático, hihi...) para o colocar na minha Escola.
Todos vão gostar de ler.

Beijinho.

 
At 1:10 da tarde, Blogger Xein said...

E como eles tantos outros, anónimos entre os demais. Tenho alguns casos desses bem próximos! É preciso lembrá-los, SEMPRE!

 

Enviar um comentário

<< Home