domingo, abril 09, 2006

A PROPÓSITO DE ABRIL

CRAVOS

Para os meninos que queiram recordar o que não viveram


Tinha um cravo na lapela
tinha outro cravo na mão
pus um cravo na janela
e mais um no coração.

Dei cravos a tanta gente
tanta gente os deu a mim
nesse dia de repente
tudo em volta era um jardim.

Dei um cravo ao soldadinho
outro cravo ao capitão
liberdade pão e vinho
e que viva a revolução.

Cravo em verso cravo em prosa
cravo nosso meu e teu
em Maio que é mês da rosa
choveram cravos do céu.

Muito tempo já passou
no que passou desde então
mas o cravo esse ficou
dentro do meu coração.

Passa o tempo e não demora
no que passou desde então
mas o cravo inda cá mora
dentro do meu coração.


JFanha Abril 2006

10 Comments:

At 8:01 da manhã, Blogger OrCa said...

Excelente, meu caro!!!

As rimas, as belas rimas de cantar com o coração...

Um grande abraço.

 
At 9:14 da manhã, Blogger ognid said...

E muitos deles bem precisam de recordar. De saber o que foi. Um abraço.

 
At 10:19 da manhã, Blogger wind said...

Uma boa lição para elas:)

 
At 10:28 da manhã, Blogger Papoila_Rubra said...

BEM VINDO à blogosfera!

Deixo um beijo num HOMEM BONITO da minha geração.
Linkei e virei sempre, mesmo que fique caladinha... :)

 
At 8:00 da manhã, Blogger Thita said...

Bom dia.

Viver não vivi, mas sei quase tudo sobre o 25 de Abri.
Convivo com gente que esteve directamente ligado a esse dia.
Com fotografias da época e tudo, hihi...

Beijinho.

 
At 9:55 da manhã, Blogger Paula Raposo said...

Com imenso prazer e ternura te visito hoje pela primeira vez. Quando te recordares de mim e quiseres saber se ainda existo, eu estou nas minhas romãs. Até lá, fica uma recordação inesquecível de um momento irrepetível. Um beijo.

 
At 9:56 da manhã, Blogger paper life said...

E do meu, Zé, e do meu. Este ninguém o arranca.

:)

 
At 10:22 da manhã, Blogger zmsantos said...

O cravo, cada vez mais, infelizmente, só dentro do coração.
Enquanto isso, é sempre tempo de voltar a florir nos olhos dos meninos que virão.

Abraço, Zé.

 
At 11:03 da manhã, Blogger zmsantos said...

Zé Fanha, tomei a liberdade de adicionar o link de o Soldadinho de chumbo no meu blog (perdigão perdeu a pena), espero que não se importe.
Abraço

 
At 9:57 da tarde, Blogger JorgeMorais said...

E assim, por acaso, cá cheguei.
Desde o encontro do amigo OrCa que estava à espera de um blog do José Fanha. Finalmente chegou! Um grande abraço.

Relativamente ao poema, sou dos que não viveu Abril, tinha 17 meses, e estava em Luanda.
Mas devo dizer que, 32 anos depois, vejo as conquistas de Abril serem constante metidas na gaveta, sem grande contestação. Acho que França nos deu um grande exemplo, não cedendo ao CPE. Será que nós já não sabemos lutar? Estou em crer que em Portugal o CPE teria passado sem contestação, sob a capa da crise e da necessidade de flexibilizar as relações laborais. E isso deixa-me bastante apreensivo...

 

Enviar um comentário

<< Home